Como adequar o ambiente de trabalho à PcDs?

Separamos 4 dicas para tornar seu ambiente de trabalho adequado à PcDs.

Em 1991 foi criada uma lei que diz que empresas com mais de 100 funcionários devem ter de 2% a 5% de colaboradores PcD (Pessoas com Deficiências). Essa lei tem como objetivo aumentar a inclusão e diversidade no ambiente de trabalho.

Porém, para que essa inclusão seja efetiva, não basta contratar esses profissionais. É preciso oferecer um ambiente de trabalho planejado e adequado às necessidades das PcDs, tornando a empresa verdadeiramente inclusiva.

Separamos 3 dicas para ajudar você a tornar sua empresa em um ambiente adequado e inclusivo para PcDs!

#1 FAÇA UM MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE

As adaptações de um ambiente para PcDs vão muito além do espaço físico. As relações interpessoais também são importantes.

Por isso, antes de fazer as adaptações indicadas, é importante que a empresa faça um mapeamento de acessibilidade, apontando todas as barreiras encontradas por PcDs na empresa.

Devem-se verificar as seguintes categorias de barreiras:

  • Arquitetônica (barreiras físicas)
  • Atitudinal (preconceitos, estigmas, estereótipos e discriminações)
  • Comunicacional (barreiras de comunicação interpessoal)
  • Metodológica (métodos e técnicas de trabalho)
  • Instrumental (ferramentas e instrumentos de trabalho)
  • Programática (barreiras invisíveis; embutidas em políticas e normas da empresa)

#2 UMA QUESTÃO DE MENTALIDADE

O preconceito dentro do ambiente corporativo pode ser um grande empecilho. É importante ensinar a toda equipe o quanto é produtivo e motivador conviver com pessoas diferentes.

PcDs não são completamente dependentes, muito pelo contrário, são tão capazes e autossuficientes. Ter isso estabelecido com a equipe fará toda a diferença no processo de inclusão. O respeito é uma peça essencial para tornar o ambiente de trabalho agradável para todos.

#3 ADOÇÃO DE MEDIDAS ERGONÔMICAS

A ergonomia é a ciência que estuda condições de trabalho. Quando colocada em prática, ela serve para o desenvolvimento e aplicação de regras e normas para organizar o ambiente de trabalho. Tornando-o compatível com as características físicas e psíquicas dos colaboradores.

Quando falamos de inclusão de PcDs, ela é uma peça-chave, pois o ambiente pede adaptações ergonômicas. Ela servirá para oferecer conforto, independência e segurança aos colaboradores.

É importante lembrar que quanto mais adaptado o ambiente for, maior a liberdade e autonomia dos colaboradores com deficiências, tornando-os mais produtivos.

Por isso, é interessante que o ambiente disponha coisas como sinalização tátil, sonora e visual, de forma integrada, banheiros adequados e rotas acessíveis.

Tornar o ambiente de trabalho mais inclusivo à PcDs é uma atitude benéfica para todos os envolvidos – se feito de forma correta, adequada e responsável. Educar sua equipe e fazer as adequações físicas são fatores indispensáveis para isso.

Uma ótima forma de gerar conscientização é com palestras a respeito. Nós da Social Consultoria promovemos palestras personalizadas de acordo com as necessidades de sua empresa. Entre em contato conosco para saber mais!

Dependência química: qual o papel da empresa?

O que sua empresa deve fazer para lidar com a dependência química?

A dependência química não precisa ser uma condição complicada de lidar. Embora seja um assunto sério, é preciso lidar com ele de forma delicada e humana. Isso pode ser um problema para muitas empresas, que ainda veem o assunto como um tabu.

É inclusive por isso, que alguns gestores podem acreditar que a melhor forma 7de lidar com a dependência química é desligando os funcionários envolvidos. Porém, a demissão não é a melhor forma de encarar essa doença!

Então, qual o papel da sua empresa nesse cenário? Continue a leitura para descobrir!

O MELHOR CAMINHO A SEGUIR

Diversos estudos já comprovaram que investimentos em prevenção e tratamento são as melhores soluções para lidar com a dependência química dentro do ambiente de trabalho. Além disso, o afastamento de profissionais por esses motivos pode destruir a imagem e o clima organizacional.

Muitas empresas já relataram que, com a implantação de programas de reabilitação dentro das empresas, os funcionários reabilitados produzem até 60% mais. Isso acontece por dois motivos:

#1 Eles se sentem motivados pela empresa

#2 É uma forma de não cair de novo no vício

APOIO PSICOSSOCIAL

Além de investir em programas de reabilitação, um ponto crucial quando falamos de tratamento para dependência química é o apoio psicossocial.

Abandonar um vício não é um processo simples, muito menos rápido. É uma longa e cruel jornada, e ninguém precisa passar por ela sozinho. Motivar a pessoa e ampliar seu repertório social já se mostrou uma eficiente atualização na forma que o tratamento é feito.

Como cada indivíduo possui características diferentes em relação ao seu vicio, é preciso levar em conta diversos fatores na hora de diagnóstico e tratamento. A única constante nesses cenários é que a pessoa que enfrentará esse processo vai precisar de apoio e acolhimento.

E não é só ele o afetado por isso. A família do dependente também enfrenta dificuldades por conta do vício. Por isso, é importante não se esquecer deles na hora de fazer o acompanhamento e sempre dar espaço para que a família se sinta acolhida também.

Outro ponto muito importante que as empresas devem se atentar são alguns sinais de alerta.

QUAIS SÃO ELES?

Quando identificados depressa, mais fácil se torna o processo de intervenção da empresa. Por isso, se atente aos seguintes sinais:

  • Ausências durante o horário de trabalho
  • Faltas não autorizadas ou licenças excessivas por doenças
  • Acidentes de trabalho
  • Queda de produtividade
  • Mudanças bruscas de comportamento
  • Descuido com a higiene e aparência pessoal

É importante ressaltar que esses sinais não valem somente para questões como a dependência química, e se relacionam com outras doenças também. Por isso, independente da situação, como gestor ou RH é importante se atentar a elas.

A lição que fica é que em situações como essa, a chave é agir com empatia e investir no funcionário. Afinal, a dependência química é uma doença – e deve ser tratada como tal.

Nós da Social Consultoria oferecemos serviços de Apoio Psicossocial com o objetivo de oferecer uma rede de amparo ao profissional que está passando por qualquer dificuldade. Atendemos em dois formatos: disk help 24 horas e atendimento presencial.

Entre em contato, esclareça suas dúvidas e escolha a melhor alternativa para sua empresa!