Como adequar o ambiente de trabalho à PcDs?

Separamos 4 dicas para tornar seu ambiente de trabalho adequado à PcDs.

Em 1991 foi criada uma lei que diz que empresas com mais de 100 funcionários devem ter de 2% a 5% de colaboradores PcD (Pessoas com Deficiências). Essa lei tem como objetivo aumentar a inclusão e diversidade no ambiente de trabalho.

Porém, para que essa inclusão seja efetiva, não basta contratar esses profissionais. É preciso oferecer um ambiente de trabalho planejado e adequado às necessidades das PcDs, tornando a empresa verdadeiramente inclusiva.

Separamos 3 dicas para ajudar você a tornar sua empresa em um ambiente adequado e inclusivo para PcDs!

#1 FAÇA UM MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE

As adaptações de um ambiente para PcDs vão muito além do espaço físico. As relações interpessoais também são importantes.

Por isso, antes de fazer as adaptações indicadas, é importante que a empresa faça um mapeamento de acessibilidade, apontando todas as barreiras encontradas por PcDs na empresa.

Devem-se verificar as seguintes categorias de barreiras:

  • Arquitetônica (barreiras físicas)
  • Atitudinal (preconceitos, estigmas, estereótipos e discriminações)
  • Comunicacional (barreiras de comunicação interpessoal)
  • Metodológica (métodos e técnicas de trabalho)
  • Instrumental (ferramentas e instrumentos de trabalho)
  • Programática (barreiras invisíveis; embutidas em políticas e normas da empresa)

#2 UMA QUESTÃO DE MENTALIDADE

O preconceito dentro do ambiente corporativo pode ser um grande empecilho. É importante ensinar a toda equipe o quanto é produtivo e motivador conviver com pessoas diferentes.

PcDs não são completamente dependentes, muito pelo contrário, são tão capazes e autossuficientes. Ter isso estabelecido com a equipe fará toda a diferença no processo de inclusão. O respeito é uma peça essencial para tornar o ambiente de trabalho agradável para todos.

#3 ADOÇÃO DE MEDIDAS ERGONÔMICAS

A ergonomia é a ciência que estuda condições de trabalho. Quando colocada em prática, ela serve para o desenvolvimento e aplicação de regras e normas para organizar o ambiente de trabalho. Tornando-o compatível com as características físicas e psíquicas dos colaboradores.

Quando falamos de inclusão de PcDs, ela é uma peça-chave, pois o ambiente pede adaptações ergonômicas. Ela servirá para oferecer conforto, independência e segurança aos colaboradores.

É importante lembrar que quanto mais adaptado o ambiente for, maior a liberdade e autonomia dos colaboradores com deficiências, tornando-os mais produtivos.

Por isso, é interessante que o ambiente disponha coisas como sinalização tátil, sonora e visual, de forma integrada, banheiros adequados e rotas acessíveis.

Tornar o ambiente de trabalho mais inclusivo à PcDs é uma atitude benéfica para todos os envolvidos – se feito de forma correta, adequada e responsável. Educar sua equipe e fazer as adequações físicas são fatores indispensáveis para isso.

Uma ótima forma de gerar conscientização é com palestras a respeito. Nós da Social Consultoria promovemos palestras personalizadas de acordo com as necessidades de sua empresa. Entre em contato conosco para saber mais!

Como funciona o auxílio-doença para funcionários afastados?

Explicamos os casos em que o benefício é válido!

O auxílio-doença é um benefício garantido ao trabalhador segurado pelo INSS. Ele é concedido ao colaborador quando ele fica incapacitado de comparecer ao trabalho de forma total, por conta de doenças ou acidentes por mais de 15 dias.

Entretanto, ainda existem algumas dúvidas relacionadas ao benefício. Neste artigo iremos abordá-las. Continue a leitura para conferir!

AUXÍLIO-DOENÇA COMUM OU ACIDENTÁRIO?

Para ter acesso ao benefício do auxílio-doença, é feita uma perícia médica, a fim de comprovar a incapacidade laboral do trabalhador. Além disso, existem dois tipos de auxílio, eles são:

  • Comum:
    Ele é concedido para todos os trabalhadores, incluindo doméstico e profissionais autônomos. Ele não prevê estabilidade no emprego e a empresa não é obrigada a depositar o FGTS durante o recebimento do benefício.
  • Acidentário:
    Válido somente para colaboradores vinculados a uma empresa, prevê estabilidade de 12 meses após retorno ao trabalho. A empresa também é obrigada a depositar o FGTS durante o recebimento do benefício.

COMO EU TENHO ACESSO A ESSE BENEFÍCO?

Para que o colaborador tenha acesso ao auxílio-doença, ele precisa ter contribuído, no mínimo, 12 meses para o INSS. Exceto em casos de acidente de trabalho ou doenças graves.

Atendendo os requisitos necessários e comprovando seu problema de saúde, o trabalhador precisa apresentar alguns documentos. Eles são:

  • Número do PIS/PASEP – NIT.
  • Documento com foto válido em território nacional.
  • Comprovante de recolhimento previdenciário.
  • Atestado médico e/ou exames que comprovam a doença. Além disso, o tratamento indicado e período de afastamento sugerido.
  • Carteira de trabalho ou outro documento que comprove o pagamento do INSS.
  • Declaração de requerimento, assinado pelo contratante.
  • CAT, em caso de acidente de trabalho.

Posso prorrogar o benefício?

Sim! Assim como outros benefícios concedidos pelo INSS, o auxílio-doença pode ser prorrogado caso o trabalhador necessite. A única coisa que precisa ser feita é a comprovação com laudo médico, assim como no momento da solicitação do auxílio, para atestar a condição clínica.

Ficar doente ou ter contratempos no trabalho por problemas de saúde não é agradável, mas é importante saber que você será amparado caso precise!

A Social Consultoria também trabalha para ampliar a qualidade de vida de colaboradores com quadros de doenças crônicas. Entre em contato e conheça tudo a respeito de nosso serviço de Home Care.