Como funciona o auxílio-doença para funcionários afastados?

Explicamos os casos em que o benefício é válido!

O auxílio-doença é um benefício garantido ao trabalhador segurado pelo INSS. Ele é concedido ao colaborador quando ele fica incapacitado de comparecer ao trabalho de forma total, por conta de doenças ou acidentes por mais de 15 dias.

Entretanto, ainda existem algumas dúvidas relacionadas ao benefício. Neste artigo iremos abordá-las. Continue a leitura para conferir!

AUXÍLIO-DOENÇA COMUM OU ACIDENTÁRIO?

Para ter acesso ao benefício do auxílio-doença, é feita uma perícia médica, a fim de comprovar a incapacidade laboral do trabalhador. Além disso, existem dois tipos de auxílio, eles são:

  • Comum:
    Ele é concedido para todos os trabalhadores, incluindo doméstico e profissionais autônomos. Ele não prevê estabilidade no emprego e a empresa não é obrigada a depositar o FGTS durante o recebimento do benefício.
  • Acidentário:
    Válido somente para colaboradores vinculados a uma empresa, prevê estabilidade de 12 meses após retorno ao trabalho. A empresa também é obrigada a depositar o FGTS durante o recebimento do benefício.

COMO EU TENHO ACESSO A ESSE BENEFÍCO?

Para que o colaborador tenha acesso ao auxílio-doença, ele precisa ter contribuído, no mínimo, 12 meses para o INSS. Exceto em casos de acidente de trabalho ou doenças graves.

Atendendo os requisitos necessários e comprovando seu problema de saúde, o trabalhador precisa apresentar alguns documentos. Eles são:

  • Número do PIS/PASEP – NIT.
  • Documento com foto válido em território nacional.
  • Comprovante de recolhimento previdenciário.
  • Atestado médico e/ou exames que comprovam a doença. Além disso, o tratamento indicado e período de afastamento sugerido.
  • Carteira de trabalho ou outro documento que comprove o pagamento do INSS.
  • Declaração de requerimento, assinado pelo contratante.
  • CAT, em caso de acidente de trabalho.

Posso prorrogar o benefício?

Sim! Assim como outros benefícios concedidos pelo INSS, o auxílio-doença pode ser prorrogado caso o trabalhador necessite. A única coisa que precisa ser feita é a comprovação com laudo médico, assim como no momento da solicitação do auxílio, para atestar a condição clínica.

Ficar doente ou ter contratempos no trabalho por problemas de saúde não é agradável, mas é importante saber que você será amparado caso precise!

A Social Consultoria também trabalha para ampliar a qualidade de vida de colaboradores com quadros de doenças crônicas. Entre em contato e conheça tudo a respeito de nosso serviço de Home Care.

Licença Maternidade: 5 dicas para gestantes

Você precisa se atentar a esses pontos quando falamos de licença maternidade.

Falam que ter um filho é a melhor coisa que uma mulher pode fazer. A verdade é que colocar um bebê no mundo é uma viagem turbulenta, com duração indeterminada – mas que vale muito a pena.

Um dos aspectos dessa jornada é a licença a maternidade, um benefício de grande importância para as mulheres. Entretanto, existem algumas dúvidas que cercam o assunto. E é justamente por isso que vamos explicar melhor alguns pontos e dar dicas para as futuras mamães!

Continue lendo para conferir!

A NOVA LEI TRABALHISTA INTERFERE NA LICENÇA MATERNIDADE?

A licença maternidade é um benefício constitucional, garantido a todas as mulheres que contribuem para o INSS.

Ele garante a mulher o direito de ausência do trabalho, sem perdas salariais, por pelo menos 120 dias. O benefício também é concedido em casos de adoção.

Uma das questões que geram mais dúvida é se a nova lei alterou ou não os requisitos para solicitar a licença ou quem tem direito a ela. A resposta é: não. O que a lei alterou diz respeito a:

  • Acumular período de férias e tempo de licença
  • Pausas para amamentar o bebê
  • Período para comunicar o empregador sobre a gravidez
  • Garantia para mudar de local de trabalho em casos de insalubridade.

PROGRAMA EMPRESA CIDADÃ

Como ele funciona?

Instituído em 2008, o programa prorroga a licença a maternidade por 60 dias, ao invés de 40. Ou seja, ao invés dos 120 dias afastada, a colaboradora de empresas que fazem parte do projeto é autorizada a ter 180 dias de licença.

Como o projeto não é obrigatório, é importante conferir se a empresa em que você trabalha faz parte dele ou não antes de solicitar o benefício.

Assim como a licença maternidade, é preciso solicitar a extensão da licença para a empresa até 30 dias após o nascimento do filho. O programa também é valido para adoções, dependendo da idade da criança.

COMO FAÇO PARA AMENIZAR O PROCESSO DE VOLTA DA LICENÇA MATERNIDADE?

Voltar à rotina de trabalho pode ser complicado, afinal, você passou de 120 a 180 dias afastada, curtindo seu filho. Como fazer essa transição de forma simples e descomplicada? Separamos 5 dicas rápidas para ajudar você, confira:

#1 TENTE ACOSTUMAR SEU FILHO A FICAR LONGE DE VOCÊ ANTES DE VOLTAR DE VERDADE

Antes de terminar a licença, considere fazer um período de teste com seu filho, ficando um período longe, para que ele (e você) se acostume. Existem diversas alternativas que você pode tentar, como creche, contratar uma babá ou deixar a criança com familiares.

#2 DURMA BEM

Sono e maternidade não andam de mãos dadas. Porém, para que a volta ao trabalho seja menos dolorosa, é preciso regularizar o seu. Tente dormir um pouco mais, negociando deixar o turno da noite para seu marido, pelo menos em sua primeira semana.

#3 VOLTE DEVAGAR

Para muitas mulheres o processo de volta da licença maternidade é extremamente doloroso. Por isso, tome seu tempo e não tente apressar.

Acostume sua mente com pequenos passos, como ir ao escritório de vez em quando e se atualizar a respeito de algumas questões via e-mail ou telefone.

#4 A TECNOLOGIA É SUA ALIADA

A tecnologia revolucionou nossas vidas de diversas formas. Uma delas é reduzindo a distância. Mesmo no trabalho, você pode receber updates do bebê. Fotos, vídeos e mensagens de voz e de texto são seus melhores amigos para se manter atualizada e matar a saudade!

#5 APROVEITE

 Por mais maravilhosa que seja a experiência de ser mãe, ela é desgastante. Por isso, é bom tirar a cabeça de assuntos como fraldas, mamadeiras e acalmar o choro do bebê por algumas horas.

A maternidade é cheia de altos e baixos, porém é uma experiência única e recompensadora.  Com essas dicas esperamos facilitar o processo para você!